O nosso website utiliza cookies para lhe identificar e aprimorar a sua experiência de navegação.
Alguns cookies são necessários, outros são utilitários, analíticos ou de marketing. Ao continuar navegando, você concorda com os termos da nossa Política de Cookies.

Uma linha completa para alívio de
todas as intensidades de dor

Arboviroses: descubra 5 fatos sobre Dengue, Chikungunya e Zika

29/09/2020 | Analgésicos

Apesar de muito conhecidas pelos brasileiros, as arboviroses – doenças transmitidas pela picada do mosquito Aedes Aegypti , como a dengue, chikungunya e zika, ainda causam muitas dúvidas em grande parte da população. Para entender como cada doença se comporta em nosso organismo e como é feito o tratamento, a médica especialista em dor, Denise Katz (CRM 63548-SP), responde algumas das principais dúvidas. Confira:

1. O Aedes aegypti é capaz de contaminar uma pessoa com três diferentes tipos de vírus?

Sim. O Aedes aegypti é capaz de transmitir diferentes doenças, de acordo com o vírus que o mosquito carrega. Entre os principais vírus estão: a dengue, chikungunya e o zika vírus.

2. Como cada doença transmitida pelo Aedes aegypti se comporta em nosso organismo?

A dengue é uma doença viral com período de incubação de 4 a 10 dias, que causa febre acima de 38º graus e ocorrência de manchas na pele a partir do quarto dia. Metade dos acometidos ainda sentem dor nos músculos. Outros sintomas comuns durante a doença são: dor de cabeça, dor atrás dos olhos e diminuição das células de defesa do corpo.

A chinkungunya é uma doença viral com baixa taxa de mortalidade e com grande caráter epidêmico. O período de incubação da chikungunya é de 3 a 7 dias em média, podendo variar de 1 a 12 dias. Há o surgimento de manchas no 2º ao 5º dia em 50% dos casos. As dores nos músculos são pouco frequentes e nas articulações são muito prevalentes com intensidade moderada/intensa. Durante a doença, também é comum o paciente apresentar dor de cabeça de média intensidade e pouca frequência de dor atrás dos olhos.

Já o vírus zika foi introduzido no Brasil a partir da segunda metade de 2014 e considera-se que a maior parte da população brasileira seja suscetível à infecção, por não possuir imunidade natural contra ele. Um dos principais sintomas apresentados são as manchas no corpo, que surgem em 90 a 100% dos casos, dores nas articulações que podem ocorrer na intensidade leve e moderada, dores de cabeça de intensidade média e coceira de forma intensa, além de dores atrás dos olhos. Na infecção pelo vírus zika, a diminuição das células de defesa do corpo não ocorre.

3. As arboviroses têm sintomas parecidos, o tratamento é o mesmo?

Apesar de apresentarem sintomas muito parecidos, a observância da intensidade de cada um deles e da ausência de outros pode agilizar o diagnóstico do médico e facilitar o tratamento adequado. Em casos de suspeita de infecção por qualquer um dos vírus, é fundamental procurar atendimento médico para descartar suspeitas, visto que cada uma das doenças pede um tempo de tratamento.

4. Qual medicamento é seguro para tratar arboviroses?

Não existe um tratamento específico para combater os vírus causadores da Dengue, Chikungunya e Zika, já que todos eles costumam ter uma vida curta no organismo humano. Contudo, é possível tratar os sintomas causados pelas Arboviroses, como dor e febre. O Ministério da Saúde considera seguro medicamentos à base de dipirona, como o Lisador Dip. Contudo, em casos de suspeita de infecção por qualquer um dos vírus da dengue, zika ou chikungunya, é fundamental procurar atendimento médico.

5. E quais medicamentos são contraindicados?

Os salicilatos, como o AAS (ácido acetilsalicílico) são contraindicados e não devem ser administrados, pois podem causar ou agravar sangramentos. Além dos anti-inflamatórios não-hormonais, bem como as drogas com potencial hemorrágico.

Bibliografia:

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Dengue: diagnóstico e manejo clínico: adulto e criança. Brasília: Ministério da Saúde, 2013.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. Febre de chikungunya: manejo clínico. Brasília: Ministério da Saúde, 2015.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Febre do zika vírus: manejo clinico. Disponível em:< http://portalsaude.saude.gov.br/index.php/o-ministerio/principal/leia-mais-oministerio/ 1139-secretaria-svs/vigilancia-de-a-a-z/zika/17874-manejo-clinico>.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Protocolo de vigilância e resposta à ocorrência de microcefalia relacionada à infecção pelo vírus Zika. Brasília: Ministério da Saúde, 2015. Disponível em: <http://www.saude.gov.br/images/pdf/2015/dezembro/09/Microcefalia—Protocolo-de-vigil–ncia-e-resposta—vers–o-1—-09dez2015-8h.pdf>. Acesso em: agosto, 2020.
Secretaria de Vigilância em Saúde. Ministério da Saúde. Febre pelo vírus Zika: uma revisão narrativa sobre a doença. Boletim Epidemiológico. 2015; 46 (26): 1-7. Disponível em: https://www.saude.gov.br/images/pdf/2015/agosto/26/2015-020-publica—-o.pdf. Acesso em: agosto, 2020.

Sobre Lisador Dip

Lisador Dip é um medicamento à base de dipirona, potente contra dores intensas¹ e febre². Indicado para dores de cabeça, abdominais e musculares²; pode ser utilizado em caso de doenças virais causadas pelo Aedes aegypti, como dengue, zika e chikungunya³⁻⁵. Os cartuchos com 10 e 20 comprimidos e blister com quatro e oito estão disponíveis nas principais redes de farmácias e drogarias do Brasil.

Referências Bibliográficas

1. Gonzalez GJ. Revisión de las características farmacológicas y clínicas de la dipirona. Salud(i)ciência (Impresa)2009;17(3):220-223.

2. Bula do Produto: Lisador Dip.

3. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Dengue: diagnóstico e manejo clínico (adulto e criança). Brasília-DF: 5º edição; 2016. Disponível em:<http://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2016/janeiro/14/dengue-manejo-adulto-crianca-5d.pdf>. Acesso em: outubro, 2018.

4. Brasil. Ministério da Saúde. Portal da Saúde. Saúde de A a Z: Zika virus. [Internet]. Disponível em:<http://portalms.saude.gov.br/saude-de-a-z/zika-virus>. Acesso em: outubro, 2018.

5. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Chikungunya: manejo clínico. Brasília-DF: 2017. Disponível em: <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/chikungunya_manejo_clinico.pdf>. Acesso em: março, 2020.

Lisador Dip. Dipirona monoidratada. Comprimido. MS 1.7817.0842. Solução gotas. MS: 1.7817.0877. Indicações: analgésico e antitérmico. SE PERSISTIREM OS SINTOMAS O MÉDICO DEVERÁ SER CONSULTADO. Outubro/2020.

Pesquisa
Generic selectors
Apenas correspondências exatas
Buscar nos títulos
Buscar no conteúdo
Buscar nos posts
Buscar nas páginas
Tags